Vesícula Biliar. As perguntas mais frequentes sobre o cálculo.

Você quer conhecer quais são as 3  perguntas mais frequentes sobre pedra (cálculo) de vesícula?

Vamos lá:

1) Por que eu tenho pedra na vesícula?
2) Tenho que tirar a vesícula biliar toda? Entranho… porque no caso do rim só retiramos as pedras e na vesícula temos que tirar a vesícula toda? Não vai fazer falta?
3) Meu cálculo era muito grande, é pior?

A função da vesícula biliar é armazenar a bile. A bile funciona como um detergente natural que auxilia ao corpo humano na digestão das gorduras ingeridas na alimentação. Durante o jejum, a vesícula biliar se mantém em repouso (relaxada) e a bile permanece em seu interior. Após a alimentação (em especial, com a ingestão de gordura) a vesícula biliar irá se contrair e deste modo, bombeará toda a bile para o intestino, a fim de participar do processo de digestão das gorduras.

Porque aparecem os cálculos?

A bile é formada principalmente por sais biliares e água. Enquanto estes componentes estiverem em equilíbrio, a bile se manterá no estado líquido. Todavia, toda vez em que houver a perda deste equilíbrio, seja pela produção excessiva de sais biliares, seja pela maior reabsorção de água, a consequência será uma bile mais concentrada (saturada) e isto levará ao depósito de cristais no fundo da vesícula biliar. Com o tempo, estes cristais irão se agrupar formando os cálculos biliares.
Exemplo simples pra melhor compreensão:
Imagine um copo cheio de água. Agora vamos aos poucos adicionando sal (afinal a bile é composta principalmente de água e sal). No início o sal irá se diluir e sumir na água. Porém quanto mais sal colocamos, ele irá começar e se acumular no fundo do copo. Na vesícula é a mesma coisa. Uma disfunção da parede da vesícula fará com que haja pouca água ou muito sal biliar. Este excesso de sal biliar acumulado na vesícula formará os cálculos biliares!

Qual o tratamento recomendado?

O tratamento indicado é a colecistectomia videolaparoscópica, que consiste na retirada da vesícula biliar de maneira minimamente invasiva (através de pequenas incisões de 0,5 a 1 cm). No caso no rim, apenas retiramos os cálculos pois é rim considerado um órgão nobre que desempenha diversas funções essenciais a vida (assim como o fígado, não podemos viver sem os rins). A vesícula biliar por sua vez se assemelha ao apêndice. Já teve função bem mais nobre no passado distante mas pode ser removido sem grandes perdas. Como a doença é da parede da vesícula, que como vimos não mantém os sais biliares em equilíbrio. A única solução é retiramos a vesícula toda. Caso contrário em pouco tempo novos cálculos sé formarão.

Meu cálculo era muito grande?

Que bom. Neste ponto, pedra na vesícula parecem com escorpiões. Quanto menor pior! Escorpiões menores tendem a ser mais venenosos ao passo que os cálculos pequenos da vesícula tem maior facilidade de sair da vesícula e migrar para as vias biliares de grosso calibre e pâncreas, o que por sua vez pode gerar doenças gravíssimas e com risco de vida. O maior exemplo é a pancreatite. Tenha muito medo dos cálculos pequenos! Respeite os cálculos grandes!

A avaliação de um médico é fundamental!
Dr. Antonio Felipe Santa Maria – Cirurgião Geral

 

Uma comentário para

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nosso endereço
Fórum de Ipanema
Rua Visconde de Pirajá 351, sala 614 . Ipanema - RJ
Telefones: (21) 2267-5384 e 99246 4696
Siga-nos!