Psoríase, muito além de uma doença de pele.

Muito comum nos brasileiros, a psoríase caracteriza-se pelo aparecimento de lesões avermelhadas e escamosas. Elas acometem principalmente os joelhos, cotovelos e couro cabeludo, podendo surgir em qualquer parte do corpo danificando até mesmo as unhas.
Quando falamos que a psoríase está longe de ser “apenas” um problema de pele significa que existem outras condições relacionadas a esta doença.
A principal delas é chamada de artrite psoriásica, ou seja, quando o indivíduo além da doença de pele, sofre também de “reumatismo”, tanto nas articulações quanto na coluna.
De todos os pacientes portadores de psoríase, estima -se que até 30% dos casos vão evoluir, em algum momento da sua vida, com reumatismo.
Na maioria das vezes, o reumatismo surge alguns anos após a doença cutânea, em contrapartida, em 15% dos casos, a inflamação articular pode surgir bem antes das lesões cutâneas, dificultando o diagnóstico.
É importante ressaltar que o acometimento reumatológico pode surgir em pacientes com lesões cutâneas mínimas e algumas até mesmo insignificantes.

Mas como reumatismo é um termo muito vago, o que pode acontecer nas “juntas” dos portadores de psoríase?
Existem várias formas do reumatismo se manifestar na psoríase, acometendo:
1 – A articulações periféricas: mãos, punhos, cotovelos, joelhos, tornozelos e pés inflamados, vermelhos, quentes e bastante doloridos.
2 – Coluna: Dores em toda coluna, acordando o indivíduo na madrugada e com piora, pela manhã, ao se levantar da cama.

Outros locais que também podem inflamar com frequência são os tendões, especificamente aonde eles se fixam aos ossos; chamados de enteses, e a inflamação destes locais designamos de entesite. As formas mais comuns de entesite são tendões de Aquiles e fáscia plantar (sola do calcanhar).
Além disso, existe ainda o envolvimento dos tecidos que estão em volta das articulações conferindo a esta doença um caráter especial. Quando alguma articulação de um dedo, seja das mãos ou dos pés, é acometida junto com uma inflamação das estruturas que envolvem esta articulação, observamos um inchaço geral que chamamos de dactilite, que quer dizer uma inflamação de todo o dedo (“dedo em salsicha”).

Quais os pacientes de maior risco?
Pacientes portadores de psoríase que apresentam deformidades nas unhas, lesões em prega interglutica (cóccix) e couro cabeludo, tem uma tendência maior a desenvolver reumatismo.

Como vocês podem reparar existem várias manifestações reumatologias em pacientes com psoríase. Na grande maioria das vezes, este paciente desconhece totalmente a relação entre psoríase e reumatismo. E uma vez que os mesmos não associam a pele com as dores articulares, acabando assim por retardar a procura a um especialista, postergando o início de tratamento e piorando a sua qualidade de vida.

Portanto, você que é portador de psoríase, independente da extensão do quadro cutâneo, se tem histórico familiar da doença, ou mesmo se convive com uma “caspa” que não melhora com os tratamentos convencionais, associadas ou não a dores nas juntas, não perca tempo e procure auxilio medico para maiores esclarecimentos.

Fernando Majerowicz
Reumatologia
02/04/2017

2 Comentários em Psoríase, muito além de uma doença de pele.

  • Tenho psoríase fui aposentada pelos problemas articulares. Sou diabética cabeça e corpo com muita
    Exite medicamento novo? Tenho 66 anos.

    • Bom dia Miriam,
      A reumatologia está avançando a passos largos.
      Nos últimos anos surgiram drogas novas que bloqueiam várias vias inflamatórias do reumatismo gerado pela psoríase.
      Não sei o que a senhora já fez uso mas tem muitas opções atualmente.
      Um grande abraço
      Dr Fernando Majerowicz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nosso endereço
Fórum de Ipanema
Rua Visconde de Pirajá 351, sala 614 . Ipanema - RJ
Telefones: (21) 2267-5384 e 99246 4696
Siga-nos!