Incontinência urinária: O que você precisa saber.

Esse problema afeta cerca de 10 milhões de brasileiros, sendo que a incontinência urinária é duas vezes mais comum em mulheres. Os dados são da Sociedade Brasileira de Urologia, que também afirma que 35% do público feminino acima dos 40 anos e após a menopausa apresenta algum grau do problema.

Aqui, é válido afirmar que a continência urinária não afeta somente a rotina das pessoas, mas também causa depressão, ansiedade, exclusão social, distanciamento e problemas de autoestima. Sendo assim, é fundamental procurar tratamento para evitar a progressão da incontinência e seus impactos na saúde e no bem-estar.

Conheça as suas causas, os principais sintomas e como deve ser feito o tratamento.

O QUE É?

A incontinência urinária é um problema relativamente comum e que pode ser muito constrangedor. A liberação involuntária de urina pode acontecer por algumas causas. Sendo assim, separa-se a incontinência urinária em alguns tipos:

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO

A incontinência por esforço normalmente ocorre após situações que criam pressão na cavidade abdominal, como tossir, espirrar, levantar objetos, subir escadas, realizar atividades físicas, dar gargalhadas e mudar de posição bruscamente. Outras ações que causam pressão na bexiga ou estresse também propiciam a perda urinária.

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE URGÊNCIA

Para pessoas que têm a continência urinária preservada, a vontade de urinar aparece de forma gradual e, mesmo em situações em que a bexiga está cheia é possível segurar o fluxo.

Já quem sofre com incontinência urinária de urgência sente a vontade de urinar e imediatamente precisa ir ao banheiro, independentemente da quantidade de urina que houver na bexiga. Em algumas vezes, o desejo de urinar é tão repentino que a pessoa não consegue nem chegar ao banheiro a tempo.

INCONTINÊNCIA URINÁRIA MISTA

Nesse caso há um misto de ambas as situações descritas acima. Ou seja, o paciente apresenta perda de urina de urgência e aos esforços.

 

E AS CAUSAS?

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO

A incontinência urinária de esforço é mais comum nas mulheres, principalmente em idosas, gestantes, obesas e pacientes submetidas ao parto vaginal. Essa prevalência é explicada porque a mulher tem duas falhas em seu assoalho pélvico, estrutura muscular responsável pela contração da uretra e também pela sustentação dos órgãos, como a bexiga.

Essa diferença no corpo feminino faz com que os músculos do assoalho pélvico sejam mais frágeis, inclusive aquele que fica situado em torno da uretra e evita que haja perda urinária. Além disso, com o envelhecimento, é natural que a musculatura da pelve enfraqueça, tornando a incontinência urinária uma alteração comum após a quinta década de vida.

Outras alterações relacionadas a incontinência urinária de esforço que estão presentes no mundo feminino devem-se a gestação e parto. Isso acontece porque o corpo precisa mudar a sua conformação para que o feto cresça e há efeitos hormonais crescentes. O parto via vaginal também é um fator, visto que durante a passagem do bebê pela vagina pode ocorrer desnervação dos músculos, assim como frouxidão, acarretando a perda urinária.

No entanto, a fraqueza dos músculos do assoalho pélvico e do esfíncter da uretra também podem ocorrer em homens, sendo que incidência é maior em idosos. Problemas na coluna espinhal, nervos e cérebros também podem causar esse tipo de incontinência devido a sinais enviados erroneamente.

 

INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE URGÊNCIA

A incontinência urinária, por sua vez, também ocorre com frequência em homens. É natural que ao longo dos anos a próstata cresça, fenômeno chamado de hiperplasia prostática benigna. Em alguns casos, a próstata aumenta tanto de tamanho que obstrui a saída de urina da bexiga, fazendo com que haja maior pressão sobre ela e, assim, maior dificuldade para expulsar a urina.

Para compensar esse problema, a bexiga aumenta a sua musculatura. Com o passar do tempo esses músculos se tornam disfuncionais. Dessa forma, há contrações inesperadas, e isso provoca vontade intensa de ir ao banheiro, muitas vezes sem conseguir segurar a urina.

Essa alteração também acontece devido a bexiga hiperativa, alteração que acontece em doenças como o parkinson e a esclerose múltipla, danos a coluna espinhal ou após o AVC. Outra causa possível é a menopausa, visto que há encolhimento da parede vaginal da mulher (atrofia), o que pode causar incontinência de urgência.

Por fim, esse tipo de incontinência pode ser um sintoma de infecção do trato urinário, como a de bexiga (cistite).

 

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

Em relação a incontinência de urgência, pode-se citar:

necessidade súbita de urinar;

ir ao banheiro diversas vezes ao dia;

acordar a noite para ir ao banheiro;

não conseguir chegar ao banheiro e molhar a roupa.

 

Já os sintomas relacionados a incontinência de esforço são:

urinar após rir, tossir ou espirrar;

irritação na vagina ou períneo.

 

COMO DEVE SER O TRATAMENTO?

A primeira medida que deve ser tomada em ambos os tipos de incontinência urinária é o emagrecimento. Isso porque o excesso de peso realiza pressão na bexiga, o que pode causar ou agravar o problema.

 

TRATAMENTO INCONTINÊNCIA DE ESFORÇO

A primeira medida é modificar os hábitos, como, por exemplo, parar de fumar a fim de diminuir a tosse, evitar pegar peso e tratar alergias respiratórias que causam espirros, entre outros fatores que aumentam a pressão abdominal. Em seguida, é recomendado que o paciente faça sessões de fisioterapia, com o objetivo de fortalecer os músculos do assoalho pélvico.

Em muitos casos, somente essas medidas melhoraram os sintomas. No entanto, se o paciente continua a ter perda urinária é possível realizar uma cirurgia chamada Sling. Nesse procedimento, coloca-se uma fita permanente abaixo da metade da uretra, a fim de promover o seu suporte e evitar a perda urinária.

TRATAMENTO INCONTINÊNCIA DE URGÊNCIA

Como falado, grande parte dos pacientes com incontinência urinária de urgência são homens com a próstata aumentada. Dessa forma, o principal é tratar a hiperplasia, o que pode ser feito por meio de medicação ou de cirurgia. Assim, reduz-se a pressão sobre a bexiga e a perda de urina diminui ou desaparece.

Se essa não for a causa, pode-se realizar fisioterapia para fortalecer o assoalho pélvico e utilizar drogas que diminuem a contratilidade da bexiga, a fim de evitar a urgência.

COMO REALIZAR A PREVENÇÃO DO PROBLEMA?

De modo geral, é importante evitar o excesso de peso, principalmente durante a gravidez. Além disso, ter uma vida saudável com exercícios físicos frequentes e uma alimentação equilibrada ajudam o corpo a se fortalecer como um todo.

Do ponto de vista cirúrgico é essencial ter cuidado com cirurgias perto da uretra. Nos homens, cirurgias de próstata podem lesar inervação e causar a incontinência.

Além de ser um problema funcional, a incontinência urinária também leva a pessoa a se afastar socialmente, devido a vergonha que a perda de urina provoca. É importante ter em mente que nos estágios iniciais a incontinência é mais facilmente tratada. Assim, ao notar a perda de urina, seja por esforço ou com urgência, é fundamental procurar um médico Urologista, especialista que trata do aparelho urinário tanto feminino quanto masculino.

O Dr. José Alexandre é médico Urologista, especialista em cirurgia robótica, câncer urológico e incontinência urinária.

Se você tem dúvidas ou sintomas, marque uma consulta!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nosso endereço
Fórum de Ipanema
Rua Visconde de Pirajá 351, sala 614 . Ipanema - RJ
Telefones: (21) 2267-5384 e 99246 4696
Siga-nos!