Como diagnosticar as doenças oculares nas crianças.

As doenças oculares em crianças podem ter um diagnóstico complicado e demorado, especialmente pela dificuldade dos pais em perceberem o problema.

Já ao nascer os olhos dos bebês merecem cuidados especiais, pois da mesma maneira que precisam de tempo para aprender a andar e falar, também precisam de tempo para aprender a enxergar e desenvolver outras funções oculares, como coordenar o movimento dos olhos.

O desenvolvimento visual se inicia antes mesmo do nascimento e é finalizado apenas por volta dos 8 anos de idade. Portanto, para acompanhar a evolução visual das crianças e tratar alterações que comprometem todo o desenvolvimento visual, os exames periódicos visuais são recomendados.

A Associação Americana de Pediatria Oftalmológica e Estrabismo, recomenda o início deste rastreamento logo após ao nascimento, quando idealmente na maternidade é realizado o Teste do Olhinho, que faz uma ampla triagem para potenciais alterações oftalmológicas, como catarata congênita, tumores oculares e também o glaucoma congênito.

Ao completar 1 ano de idade, recomenda-se que a criança realize um exame oftalmológico com fundo de olho após dilatação das pupilas, que deve ser repetido aos 3 e depois aos 5 anos de idade, naquelas crianças sem quaisquer alterações oftalmológicas.

Quando a fase escolar é iniciada, para as maiores de 5 anos, a criança deverá ter o acompanhamento anual até completar o total desenvolvimento visual, que é finalizado por volta dos 8 anos de idade. Nesta idade o baixo rendimento em sala de aula muitas vezes está relacionado a algum problema de visão e o aluno, pais e professores nem se dão conta disso.

Apesar do acompanhamento periódico com o oftalmologista, os pais também devem estar atentos para alguns sinais que servem de alerta para problemas oculares dos pequenos, que são:

– Desvios oculares persistentes em qualquer idade
– Desvios oculares intermitentes em crianças maiores de 4-6 anos
– Aspecto branco da pupila
– Lacrimejamento excessivo
– Sensibilidade exacerbada à luz
– Baixo rendimento escolar
– Dores de cabeça frequentes
– Costume de assistir televisão muito perto

Prestem atenção em qualquer queixa da criança ou perda de interesse por alguma atividade, para evitar que problemas mais graves na sua visão se desenvolvam. Na dúvida procure um oftalmologista pediátrico.
Dra Isabel Garcia
Oftalmologia Pediátrica
10/05/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nosso endereço
Fórum de Ipanema
Rua Visconde de Pirajá 351, sala 614 . Ipanema - RJ
Telefones: (21) 2267-5384 e 99246 4696
Siga-nos!