Câncer de ovário

O câncer de ovário é a doença maligna ginecológica com maior causa de mortes pela doença.  95 % dos tipos são derivadas de células do epitélio do ovário, sendo o carcinoma seroso, o subtipo histológico mais comum.  Outros subtipos histológicos de câncer de ovário epitelial incluem endométrio, células claras e mucinoso.

FATORES DE RISCO – O mecanismo que explica o vínculo entre muitos dos fatores de risco e desenvolvimento de carcinoma de ovário epitelial não foi determinado. Tradicionalmente, duas hipóteses principais foram propostas:

  • Ovulação incessante – A ovulação repetida resulta em trauma do epitélio ovariano, que por sua vez pode levar a uma transformação maligna.
  • Exposição às gonadotropinas – A exposição persistente do ovário aos hormônios gonadotrópicos e as elevadas concentrações de estrogênio, podem ser cancerígenas.

Idade – A incidência de câncer de ovário aumenta com a idade.

Nuliparidade (nunca ter parido) e outros fatores obstétricos – As mulheres que não engravidam, parecem ter um risco aumentado de câncer de ovário.  A multiparidade (ter parido vários filhos) também está associada a um risco reduzido de carcinoma de ovário. Endometriose – A endometriose parece estar associada a alguns subtipos histológicos de câncer de ovário, mas não a outros.  Terapia hormonal pós-menopausa – O risco absoluto de câncer de ovário com terapia hormonal pós-menopausa parece ser pequeno. Os melhores dados são do estudo randomizado da Iniciativa de Saúde da Mulher (WHI); alguns dados sugerem que o risco é maior para o estrogênio sozinho em comparação com a terapia com estrogênio-progestágeno.
Fatores genéticos – Vários genes de susceptibilidade ao câncer de ovário foram identificados, principalmente BRCA1 e BRCA2. As mulheres com mutações do gene BRCA1 tipicamente desenvolvem câncer de ovário em uma idade mais precoce que outras mulheres, com idade média ao diagnóstico de 50 anos e uma incidência de 2 a 3 por cento de câncer de ovário aos 40 anos. A idade média no diagnóstico de câncer de ovário em portadores de mutação BRCA2 é de 60 anos, semelhante à população em geral; As mulheres com esta mutação atingem uma incidência de 2 a 3 por cento aos 50 anos.····.

Fatores ambientais como: fumar cigarro, dieta e obesidade também podem estar associados aos fatores de risco.

FATORES DE PROTEÇÃO

● Contraceptivos orais – Estudos demonstraram consistentemente que o uso prolongado de contraceptivos orais, reduz o risco de câncer de ovário.

  • Multiparidade
  • Retirada de Trompas e Ovários cirurgicamente (salpingo-ooforectomia)
  • Histerectomia
  • Aleitamento materno

 

APRESENTAÇÃO CLÍNICA –

Os sintomas do carcinoma de ovário podem ser agudos ou subagudos.

Mais comumente, a doença apresenta-se de forma subaguda: com dor pélvica ou abdominal, inchaço, sintomas gastrointestinais. Essas condições geralmente são avaliadas em um ambiente de consultório médico. Os sintomas do câncer de ovário são pouco específicos, e frequentemente podem ser confundidos com um mal estar ou uma dor abdominal de outra origem. Isso pode acabar atrasando o diagnóstico da doença.  Alternativamente, uma massa anexial (no local do ovário) pode ser descoberta incidentalmente no momento da realização de algum exame de imagem, como ultrassom transvaginal ou ressonância magnética da pelve, realizada para outra indicação. Para o diagnóstico final do câncer de ovário, é preciso também ser solicitado exames de sangue como os marcadores tumorais da doença.

Por isso, a mulher sempre deve procurar o seu ginecologista e manter os seus exames atualizados.

Dra. Adriana de Mattos V. da Costa Amorim – Ginecologista especializada em Vídeo-Histeroscopia e  Laparoscopia do Instituto Clinics

13/11/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nosso endereço
Fórum de Ipanema
Rua Visconde de Pirajá 351, sala 614 . Ipanema - RJ
Telefones: (21) 2267-5384 e 99246 4696
Siga-nos!